Redes sociais para médicos: qual a melhor forma de usar?

Publicado em: 05 fevereiro 2018 - Categoria: Design

É comum que as pessoas escolham os médicos por meio de indicações. Quando necessitam de um especialista, perguntam à família, aos amigos, aos colegas de trabalho ou fazem uma busca on-line para reunir referências.

O Código de Ética Médica, de 2010, estabelece no artigo 111 que toda divulgação feita por um profissional da medicina deve ser exclusivamente educativa e esclarecedora.

Devido à necessidade de estar bem posicionado na internet, sem ultrapassar os limites estabelecidos pelas normas éticas, preparamos esse post a respeito do uso das redes sociais para médicos.

Saiba agora mesmo qual é a melhor postura on-line a ser adotada e conquiste novos pacientes. Boa leitura!

O que não é permitido

O Conselho Federal de Medicina publicou no Diário Oficial da União, em 2015, uma resolução que estabelece ajustes nas regras de divulgação dos serviços via redes sociais para médicos.

Essa publicação ressaltou a proibição da prática de tirar e postar selfies durante a rotina de trabalho, frequentemente divulgadas em aplicativos como o Instagram.

Salientou também que os profissionais estão proibidos de publicar conteúdos sobre qualquer especialidade ou área de atuação em que não estejam registrados nos devidos Conselhos de Medicina.

Desse modo, se você é um dermatologista, não pode compartilhar notícias sobre cesária de emergência, mesmo que seja apenas a sua opinião.

Em hipótese alguma, prescreva medicamentos ou tratamentos em suas postagens. Jamais indique remédios ou procedimentos em qualquer lugar fora de seu consultório.

Algumas regras de conduta na internet são válidas para todos os profissionais. Não reclame abertamente sobre horários, locais de trabalho, pacientes ou superiores. Limite-se a fazer esse tipo de publicação quando for para apresentar uma solução ou levantar uma discussão pertinente.

O que é recomendado

Não basta apenas realizar postagens exclusivas sobre a sua especialidade. Fotos, depoimentos ou até mesmo um simples relato devem ser autorizados por escrito pelo paciente, antes da postagem, mesmo que não revelem a identidade da pessoa.

Como efeito da visibilidade que uma pessoa tem quando mantém uma conta nas redes sociais, recomenda-se que o médico tenha um perfil profissional e um pessoal. O indicado é priorizar o uso das páginas profissionais, sem misturá-las com as atividades privadas.

Use as redes para construir uma relação de confiança com os pacientes. Divulgue conteúdos comprovados e com embasamento, e responda às dúvidas sem ultrapassar os limites da ética para uma aproximação saudável com o público.

Importância da presença digital

As redes sociais para médicos, quando utilizadas de maneira correta, são importantes ferramentas para conquistar e fidelizar pacientes.

A população está cada vez mais conectada, orientada e influenciada pelas relações estabelecidas nos meios virtuais, e estar presente significa ser visível e passar confiança aos que necessitam dos seus serviços.

O feedback imediato dos pacientes também torna-se um grande aliado para a sua carreira. Muitos não voltam aos consultórios após a primeira consulta ou negligenciam o próprio retorno após um tratamento. Mantendo um canal público, você poderá receber comentários sobre o atual estado de saúde dessas pessoas, e até mesmo realizar um trabalho em que pergunta por mensagem como o paciente está se sentindo.

Esse tipo de ação ajuda o médico a construir uma imagem positiva perante a sociedade e aumenta as chances do paciente retornar ao consultório.

Gostou do conteúdo sobre o uso das redes sociais para médicos? Então compartilhe o nosso post em suas redes sociais para que seus colegas também tenham acesso às nossas dicas. Até a próxima!

Compartilhe: